Morus - Utopia e Renascimento

A revista MORUS - Utopia e Renascimento foi fundada em 2004 por Carlos Berriel, seu editor, professor de Literatura da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e por seu grupo de estudos sobre Renascimento e Utopia (CNPq). Ana Cláudia Romano Ribeiro (UNIFESP) e Helvio Moraes (UNEMAT) atuaram como coeditores. A revista, extinta em 2019, congregou estudiosos oriundos de universidades nacionais e internacionais e com muitos deles organizou congressos, resultantes de parcerias acadêmicas. Interessaram à revista estudos sobre o problema da utopia (em quaisquer épocas históricas) e sobre temas relativos ao vasto período que a historiografia do século XIX denominou Renascimento. A revista MORUS também publicou traduções de estudos, bem como de textos literários. Plurillíngue, seus textos estão em português, francês, italiano, inglês e espanhol. Cada número norteou-se por um dossiê temático, além de trazer artigos avulsos.

  


v. 13 (2018): Movências Interdisciplinares da Utopia


Capa da revista

O dossiê Movências Interdisciplinares da Utopia apresenta alguns textos proferidos no congresso realizado de 26 a 30 de maio de 2018, em Maceió-Alagoas, organizado pelo grupo de pesquisa Literatura & Utopia e o PPGLL (Fale/Ufal), em parceria com o SOTEPP (Unit-AL), com coordenação geral de Ildney Cavalcanti (UFAL). Os autores desta seção são Alfredo Cordiviola, Joan Haran, Edson Luiz André de Souza, Amanda Priscila Santos Prado, Fabiana Gomes de Assis e Ildney Cavalcanti.

Da seção de textos avulsos participam Lucas Parreira Álvares, que revisita criticamente o conceito de comunismo cru, e Lucimara Leite, que apresenta Christine de Pizan (1363-1430).

A terceira seção traz traduções inéditas da carta-prefácio da Utopia de Thomas More (por Ana Cláudia Romano Ribeiro) e de um texto do século XVII francês, Histoire du temps, ou relation du royaume de Coqueterie, de François Hedélin (por Ana Cláudia Romano Ribeiro e Lucas de Souza Guimarães).

A seção final traz uma coroa de sonetos, os Sonantes repugnetos: uma croa roída de Pedro Marques. 

A arte da capa é de Ghustavo Muniz a partir da pintura Always together, de Daiva Staškevičienė, com detalhes de outras obras desta artista.